“Se tiver que amar, ame hoje. Se tiver que sorrir, sorria hoje. Se tiver que chorar, chore hoje. Pois o importante é viver hoje. O ontem já foi e o amanhã talvez não venha.”
— Chico Xavier.
Ah, o amor...
Há 5 dias
66.009 notas
via · source
reblog this
Tem beijo que parece mordida, tem mordida que parece carinho. Tem carinho que parece briga, tem briga que aparece pra trazer sorriso. Tem riso que parece choro, tem choro que é por alegria. Tem dia que parece noite, e a tristeza parece poesia. Tem motivo pra viver de novo, tem o novo que quer ter o motivo. Tem aquele que parece feio, mas o coração nos diz que é o mais bonito.
O Teatro Mágico. 
Há 5 dias
12.278 notas
via · source
reblog this
Amor, estou muito ocupado sendo seu para me apaixonar por outra pessoa.
Do I Wanna Know?   
Há 5 dias
44.073 notas
via · source
reblog this
Se ele sentir sua falta, ele vai ligar. Se ele se importa com você, ele vai demonstrar. Não precisa cobrar. Se ele quer, ele faz. Se ele não faz, não ache que o problema é você. Apenas pare de gastar seu tempo com ele, porque ele com certeza não pretende gastar o tempo dele com você.
Tati Bernardi. 
Há 5 dias
2.753 notas
via · source
reblog this
Por bem, decidiram então pelo fim. Depois de ininterruptos cinco anos. O primeiro foi de tremedeira nas pernas. No segundo, atingiram o nirvana sexual. Com o terceiro veio junto o apartamento. No quarto, desejo mútuo por terceiros. Finalmente, o quinto mostrou que haviam se tornado dois. Definitivamente, duas novas perspectivas de vida. Ela não pediu que ele ficasse. Ele chorou porque sempre foi o pilar sentimental do casal, e só por isso. Ela ficou com o apartamento. Ele com o labrador, com nome de ex-craque do Internacional. A última coisa que ele fez foi catar seus discos da Legião Urbana. Ela deu uma última olhada em volta. Ele entregou a chave. Ela deixou escapar que nunca vai esquecê-lo, de alguma forma. Ambos relembraram o plano de provar pra todo mundo que dava para coabitar romanticamente. A porta se fechou dando fim ao que não tinha fim. Ela decidiu rever tudo. Jurou que seria eternamente fiel à liberdade. Agora, madruga suas noites em discotecas, na companhia de estranhos e envolta em novos braços peludos. Aos sábados, dorme até meio dia para esquecer a antiga rotina de acordar cedo, fazer jogging no Parcão e almoçar os bifes maravilhosos da mãe dele. Não assiste mais novela, passou a usar mais vestido, começou a ouvir Bossa Nova e cogita tatuar o pé. Ele planejou uma revolução. Decidiu conhecer alguém novo, ligou para uma garota de programa. Hoje, não fica um dia sem compartilhar o violão com velhos amigos no Bar dos Podres. Invariavelmente, passa os domingos de chuva na cama, na companhia do Falcão, uma garrafa de Merlot e A Montanha Mágica, de Thomas Mann. Perdeu seis quilos no último mês, deixa roupas penduradas, trocou de emprego e cogita passar o feriadão em Ilha Bela. E suas vidas continuam, sob nova direção. Outro mês se foi, e eles não tem notícias e nem previsão de reprise. Ele é grato a si mesmo pela implosão das grades. Ela sente um mundo de possibilidades inflando ao seu redor. Ele pede aos amigos que digam a ela que até está bem, levando, obrigado. Ela não oculta uma certa tristeza no olhar na frente deles. Ele espera que ela esteja feliz e bem acompanhada, com alguém decente, que tenha ao menos o carinho que ela merece. Ela torce secretamente para que tão cedo ele não encontre uma garota “melhor”. Querendo ou não, ele pensa nela de quando em quando. Toda noite, se aproxima do velho apartamento com o labrador Falcão, e questiona as luzes apagadas já na tarde-noite. Fica imaginando se aquela dor crônica no pescoço curou, se tem comido beterraba e controlado direitinho a tireoide, conforme prometeu que faria. Agora, desconfia que as novas garotas da sua vida serão meros passatempos. Sente falta de ouvir aquela voz meio gasguita. Chega a pegar o telefone. Não telefona. Bem ou mal, ela sente sua ausência. Toda noite, evita estar em casa lembrando que o espaço do apartamento triplicou por um milhão. Sente falta de camisetas espalhadas aleatoriamente. Fica lembrando ele cozinhando espaguete al pesto, ou quando ele sentava na janela dedilhando “Tears In Heaven”, ou assistia o colorado comportadinho, roendo as unhas sem parar, os pés no sofá. Hoje, coleciona casos com cafajestes fajutos. Sente falta dos sermões que levava por andar descalça no chão frio. Verifica o funcionamento do telefone: tu-tu-tu. Presos pela liberdade, prosseguem cada um na sua, conectados por um fio invisível que não conduz mais eletricidade. Um fio de saudade dissonante e a certeza de que, amor como aquele deles, não acontece no tocar de uma varinha de condão.
Gabito Nunes. 
Há 5 dias
107 notas
via · source
reblog this
Já percebeu como tudo mudou? Percebeu que nas noite frias você não me manda mais sms dizendo que faz frio sem mim em sua cama? Percebeu como você não me olha mais com o mesmo brilho no olhar de antes? Percebeu que qualquer coisa tem mais importância pra você agora do que eu? Que você passa horas mexendo no celular e nem sequer me manda um “eu te amo” ou apenas um “oi amor”? Não, você não me chama mais de amor… Isso dói. Como dói. Tenho certeza que você não percebeu também como isso interfere no meu humor, como isso me leva pra uma atmosfera fria e vazia, onde eu sei que apesar de ter você ao meu lado, estou ao léu, abandonada, sem carinho, sem amor, sem você. E meu travesseiro é o único que enxuga minhas lágrimas, não mais você, como antes. Mas acredito que por um lado seja normal isso acontecer, afinal, antes as lágrimas que você secavam eram de felicidade por ter você, e hoje, as lágrimas são de tristeza por te ter aqui, e ao mesmo tempo não ter. A saudade machuca, ainda mais quando temos saudade de como alguém foi conosco um dia… Espero que você perceba, que ninguém te ama como eu, nem te cuida, nem te acarinha, nem jamais vai aturar suas loucuras e sua intensidade como eu. E por mais que eu não esteja com você, meu coração estará.
Daynara Duarte (via teamar-prasempre)
Há 5 dias
5.474 notas
via · source
reblog this
Eu preciso disfarçar que não paro mais de rir, mas aí olho pra você e você também está sempre rindo. Se isso não for o motivo para a gente nascer, já não entendo mais nada desse mundo. Você me transformou no eufemismo de mim mesma, me fez sentir a menina com uma flor daquele poema, suavizou meu soco, amoleceu minha marcha e transformou minha dureza em dança. Você quebrou minhas pernas, me fez comprar um vestido novo, tirou as pedras da minha mão. Você diz que me quer com todas as minhas vírgulas, eu te quero como meu ponto final.
Tati Bernardi.  
Há 5 dias
1.364 notas
via · source
reblog this
Ouvi dizer que toda ligação é divida por contatos. Então, decidir começar com uma negociação: para ela, um olhar, simples, expressivo, sem falar. Ela era o legitimo ‘muita areia pro meu caminhão’, e isso era o que mais me deixava interessado. Depois, ela resolveu devolver, mas do jeito dela, com um sorriso. Passou a ser o meu favorito. Tenho uma impressão de que alguns sorrisos são abalos que começam no coração, vestem os olhares com a beleza e, naturalmente, transformam em arte a boca. Ela é moça de poses delicadas, sorrisos discretos e olhar convidativo. Passamos a substituir olhares com gestos, palavras, e até sorrisos. A gente foi se entendendo tanto, mas tanto, que quando se deu conta já era promissor… Já era amor…
Fred Medeiros.  
Há 5 dias
8.277 notas
via · source
reblog this
Alguém aí pode admitir que essa merda de vida dá um medo filho da puta, e que ficar longe de tudo dói, e que ficar dentro de tudo dói, e que estar aqui, agora, dói pra cacete?
Tati Bernardi.  
Há 5 dias
2.119 notas
via · source
reblog this
Meu olhar te desconcerta, eu sou a prova concreta que você tem um coração.
Hipnose. 
Há 5 dias
1.643 notas
via · source
reblog this
As coisas mudaram para mim, mesmo assim, as pessoas continuaram indo embora. E eu comecei ver as coisas um pouco diferente de antes, um pouco mais duro com a vida, talvez. Desisti de procurar meus sorrisos por aí, de culpar a solidão dos domingos pelo meu mau-humor. Me procuraram depois de um tempo, quem sentiu falta. Pena que não acharam a mesma pessoa.
A culpa é mesmo das estrelas?  (
Há 5 dias
99.165 notas
via · source
reblog this
Vem comigo procurar algum lugar mais calmo, longe dessa confusão e dessa gente que não se respeita. Tenho quase certeza que eu não sou daqui.
Legião Urbana.